Terça-feira, 14 de Abril de 2009

O GRANDE FAROL DE ALEXANDRIA.


No outono de 1994, uma equipa de arqueólogos mergulhadores submergiram sob as águas de Alexandria, Egipto. Trabalhando abaixo da superfície, eles procuravam no fundo do oceano por artefactos. Grandes blocos de pedra submersos foram marcados com mastros flutuantes, podendo então serem localizados por um Medidor Electrónico de Distâncias, com suas exatas posições. Satélites globais foram usados para acertar as localizações. A informação então, alimentava os computadores para criar um detalhado banco de dados sobre o fundo marinho. Ironicamente, esses cientistas estavam usando uma das mais avançadas tecnologias existentes no final do século XX para tentar descobrir as ruinas de uma das mais avançadas construções do século III a.C. O Farol. O grande farol de Alexandria, uma das sete maravilhas do mundo.


História

A história do Farol começa com a fundação da cidade de Alexandria pelo conquistador macedónico, Alexandre o grande, em 332 a.C.. Alexandre fundou pelo menos 17 cidades chamadas Alexandria, em diferentes localizações do seu vasto domínio. A maioria delas desapareceu, mas Alexandria no Egito sobreviveu por séculos e continua, até mesmo nos dias actuais. Alexandre o Grande escolheu a localização de sua nova cidade muito cuidadosamente. Em vez de construí-la no delta do rio Nilo, ele escolheu um local, 20 milhas para o oeste, que o lodo e a lama carregados pelo rio, não bloqueariam o porto da cidade. No sul da cidade, era o Lago Mareotis. Depois de construído um canal ligando o lago ao Nilo, a cidade passou a ter dois portos : um para o tráfego no Rio Nilo, e o outro para as trocas, no Mar Mediterrâneo. Ambos permaneceriam, profundos e limpos. Alexandre morreu logo depois, em 323 a.C. e a cidade foi completada por Ptolomeu Soter, o novo líder do Egipto. Sob o comando de Ptolomeu, a cidade se tornou rica e própera.

De qualquer jeito, a cidade precisava de um símbolo e de um mecanismo para guiar os navios comerciais no movimentado porto. Ptolomeu autorizou a construção do Farol em 290 a.C., e, quando foi completado 20 anos depois, era a primeira e a mais alta construção existente, com excepção da Grande Pirâmide. O designer do farol foi Sóstrates de Knidos. Orgulhoso de seu trabalho, ele desejava ter seu nome na fundação. Ptolomeu II, filho de Ptolomeu, recusou seu pedido, querendo que seu nome fosse o único a estar inscrito na construção. Homem inteligente, Sóstrates inscreveu o seguinte : "Sostrates filho de Dexifanes de Knidos em nome de todos os marinheiros para os deuses salvadores", e então cobriu com um gesso. E no gesso, ele escreveu o nome de Ptolomeu. Com o tempo, o gesso envelheceu e saiu, revelando a declaração de Sostrates. O farol foi construído sobre a ilha de Pharos, e logo adquiriu esse nome. A ligação do nome, com a função foi tão forte, que a palavra Pharos se tornou sinónimo de Lighthouse (em inglês), e nas línguas latinas, pegou significado próprio : Farol.

Existem duas descrições detalhadas do farol, feitas no século X d.C., feitas por viajantes de Moor, Idrisi e Yusuf Ibn al-Shaikh. De acordo com eles, tinha 300 cúbitos de altura, mas como essa medida variava de lugar pra lugar, pode-se dizer que o farol ficava entre 450 e 600 pés de altura. O desenho era diferente dos faróis modernos, e sua estructura é bem parecida com a dos modernos arranhas-céu. Tinha 3 estágios, cada um construído sobre o topo do outro. Foi construído com blocos de mármore. O nível mais baixo tinha provavelmente mais de 200 pés de altura e 100 pés quadrados, no formado como uma caixa maciça. Dentro dessa secção, havia uma grande rampa em espiral que permitia que os materiais fossem para o topo carregados por cavalos. O topo dessa secção era uma torre de oito lados. No topo, havia um cilindro que se estendia para uma cúpula aberta onde o fogo que iluminava o farol era queimado. No telhado dessa cúpula, tinha uma enorme estátua de Poseidon. A porção mais baixa do prédio continha centenas armazéns. O interior das duas seções superiores tinha uma seta com um aparador que foi usado para transportar combustível até o fogo. A escadaria permitiam para visitas e para os guardiães, escalar até a câmara da baliza. Lá, de acordo com relatórios, um espelho encurvado grande, talvez feito de metal polido, foi usado para projetar a luz do fogo em uma viga. Foi dito que navios podiam perceber a luz à noite da torre ou a fumaça do fogo durante o dia até um-cem milhas fora. Há histórias de que este espelho poderia ser usado como uma arma para se concentrar o sol e jogar nos navios inimigos que se aproximaram. Outro conto diz que era possível usar o espelho para aumentar a imagem da cidade de Constantinopla quando vista do mar, e observar o que ia em lá, entretanto, ambas histórias parecem improváveis.
O farol era aparentemente uma atração turística. Foi vendida comida a visitas à plataforma de observação ao topo, do primeiro nível. Uma sacada menor concedia uma visão do topo da torre de oito-lados para aqueles que quisessem fazer a subida adicional. A visão de lá deve ter sido impressionante : provavelmente estava a 300 pés sobre o mar. Haviam poucos no mundo antigo que pudessem (ou quisessem) ascender uma torre artificial para adquirir tal uma vista. Como foi derrubado o primeiro farol do mundo. no Mar mediterrâneo? A maioria das contas indica que, como muitos outros edifícios antigos, foi vítima de terremotos. Durou 1500 anos mas foi danificado através de tremores em 365 e 1303 d.C. Relatórios indicam o colapso final entrou 1326. Também há um conto improvável que parte do farol foi demolida por sabotagem. Em 850 d.C. o Imperador de Constantinopla, um porto de rival, inventou um enredo inteligente para se livrar de Pharos. Ele espalhou rumores que enterraram debaixo do farol era um tesouro fabuloso. Quando o Califa de Cairo, que controlava Alexandria ouviu estes rumores, ele ordenou que a torre fosse ao chão para que se chegasse ao tesouro. Só era depois que o grande espelho foi destruído e o topo removido, o Califa percebeu que ele tinha sido enganado. Ele tentou reconstruir a torre, mas não pôde, assim ele se transformou em uma mesquita. Lógicamente essa história faz companhia a várias outras que podem ou não ser verídicas.

Visitas em 1115 d.C. informou que Pharos estava intacta e ainda operando como um farol. Os mergulhadores acharam os restos de Pharos de facto no fundo do porto. Alguns dos blocos maiores de pedra achados certamente parecem ter vindo de um edifício grande. Foram localizadas estátuas que pode ter se levantado à base do Pharos. De maneira interessante, muito do material achado parece ser de eras mais cedo que o farol. Os cientistas especulam que eles podem ter sido reciclados na construção do Pharos, vindos de edifícios até mais velhos. Há projectos de se transformar este local em um parque arqueológico com um museu de farol. Em alguns anos talvez, venham visitantes capazes de alugar snorkle e mergulhar na baía entre os restos do grande farol de Pharos.
tags:
publicado por Admin às 00:23
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.últ. comentários

Este link não funciona. Por favor, coloque um novo...
cria um novo link por favor
http://youtu.be/jb3FvmaWtRo
Meu sonho è ter sexo com ela...
Faço desde já uma declaração prévia: sou agnóstico...
Faço desde já uma declaração prévia: sou agnóstico...
Si quieren ver mas de ella visiten: http://bootyc...
adoro documentarios !!!show de bola esse blog !!!!...
eu saquei o jogo mas nao consigo jogar, ele foi te...
em 1º lugar, para os que tem o minimo de conhecime...
blogs SAPO

.subscrever feeds